Impactos no Marketing : O perfil do novo consumidor

Em meados dos anos 90, trabalhar com Marketing era como ter uma receita de bolo: tinha um roteiro do que dava certo e do que não dava. Alcançar o público era menos trabalhoso, os hábitos dos consumidores dessa época eram diferentes e mais precisos.

Propaganda de massa, por exemplo, era usada como o trunfo. Era aquilo que dava certo efetivamente e que atingia o maior número de pessoas. Boom! Acertou. O consumidor apenas recebia, não tinha essa história de feedback e interatividade. Não havia muitos espaços para questionamentos. Vide os programas de TV dos domingos à tarde.

Voltando ao que interessa: os hábitos mudaram e as empresas que não se adequam a essas mudanças vão lenta ou rapidamente cair. Hoje o consumidor não só é mais crítico, interativo, como gosta e quer dar feedbacks por aquilo que consome, sejam produtos ou serviços. Ele não é mais acomodado.

E isso reflete até nas multinacionais. Empresas sem posicionamento claro, que ficam no meio de tudo e não sabem sua própria identidade tem se perdido em meio a pequenas organizações com identidade bem definida e apresentada para o público consumidor – por isso, algumas pequenas marcas estão sendo compradas pelas gigantes -.

Existem dois tipos bem definidos de consumidor hoje: aquele que compra o que pesa menos no bolso, ou aquele que compra o que é melhor – mesmo não sendo rico – pela garantia de qualidade. Produtos e serviços médios estão no marasmo de um rio sem vida.

O desafio é: ajudar as empresas a se posicionar para não se tornar esse rio sem vida.

 

O alcance da comunicação em diferentes gerações

Apesar da diversidade de alvos, as empresas de publicidade estão engajadas, cada vez mais, em atingir a maior quantidade de pessoas por meio de suas ações

Atualmente, muito se fala na geração dos millennials também chamada de Geração Y. Eles são identificados por meio das décadas de seus nascimentos. Ou seja, todos aqueles nascidos entre os anos 1980 até 1990 são considerados parte integrante desta ‘casta’, por assim dizer, que domina com perfeição a internet e suas ferramentas.

Porém, eles não são único público consumidor na atualidade. Engana-se quem foca somente nos Millennials. Antes deles, já existiam os Baby Boomers (nascidos entre os anos 1950 e 1960), Geração X (nascidos entre os anos de 1960 e 1980) e a Geração Z (nascidos entre os anos de 1990 e 2010), sendo está última a mais recente.

Segundo matéria publicada na revista ‘Meio & Mensagem’, em julho deste ano, apesar da Geração Millennial passar mais tempo em atividades on-line, é um erro afirmar que eles estão mais conectados que todas as outras gerações.

Dados da Ipsos, terceira maior empresa de pesquisa e de inteligência de mercado do mundo, mostram que os baby boomers são os que mais prestam atenção em anúncios e propagandas via celular, por exemplo, com 54% do total de 100% de seu grupo. Somente depois vêm os millennials (48%), seguidos da Geração Z (47%) e finalizando com a Geração X (42%).

O estudo mostra, ainda, que mesmo com o advento da internet, a TV ainda é o maior mídia em que todas as gerações prestam atenção nos anúncios e propagandas. No total de 100% de cada um dos grupos, os baby boomers também lideram, com 70%. Já a Geração X ocupa o segundo lugar com 68%, seguidos da Geração Millennial com 63% e, por último, a Geração Z com 60%.